Palavras Vomitadas

Pelo que se lutou no passado? Pelo que lutamos hoje? A era da informação? Ou a era da distração? Já dizia alguém “temos tudo, mas não temos nada”.
Não existe mais a dificuldade na busca da informação, porém o conhecimento onde está? As glórias estão no passado, as lutas lá também ficaram, a busca em si está enterrada, e a vida onde está?
Muitos tentaram definir o que é vida(veja o dicionário). Diria o mais simplório: o contrário de morte; o poeta: é a inspiração sublime que arde dentro de nós; o biólogo então diria: é tudo a nossa volta, desde o mais complexos dos seres, até a simplicidade de uma folha ao vento; para que então o religioso completasse: é o presente que Deus nos deu. Mas afinal, como definir?
Tudo o que EU posso afirmar vem de minha “vivência”, minhas experiências e as conclusões que tirei delas. Vida, não é acordar cedo e se matar em busca de coisas que realmente não necessitamos. Vida é não ter destino, é o imprevisível a cada novo instante de descoberta. Vida, não é ficar sentado em frente a uma tela de computador, buscando amigos, buscando conexões, buscando a vida! Uma vida envolta em falsidades, em paixões fictícias...minto, que mal pode haver em paixões inventadas? Todos precisamos delas...
Vida é aquilo que somos, embora hoje esteja impossivelmente longe de nós. Hoje nascemos e morremos gado, pensar? Não, isso a que chamamos de pensar é apenas a influência do meio agindo em nosso inconsciente, afinal você realmente precisa daquele carro, aquela televisão, o final da maldita novela. Nosso pensamento é facilmente guiado, assim como cordas de uma marionete.
Sentido...esqueça, retorne aos seus livros, as suas ditas grandes verdades, de seus grandes pensadores....essa é a sua, a minha, a nossa grande mediocridade. Eu não escapei, e você provavelmente também não o fará, te apresento a nossa maravilhosa pseudo-vida, a nossa tão bem feita prisão, com certeza nossa maior realização, em quanto espécie Homo sapiens. Olhe no espelho e veja tua maior barreira!
Mesmo estas palavras vomitadas aqui, não acreditem nelas, não as leve a sério. Elas não são nada, assim como você! Assim como eu! É triste ser escrito e não ser escritor; e triste ser história e não criar história.
Assim como uma chuva no mar, gotas no oceano; assim como o álcool em nosso(meu?) sangue e a poluição em nossos corações, sem razão explicações ou motivos. Just this!
Os culpados residem na primeira pessoa do plural, e somente lá. Olho para trás nesta maldita escada composta de milênios e vejo o que deixamos para trás, é triste, como é!
Meu desafio, pegar estas minhas palavras vomitadas, estas minhas idéias desconexas, essa minha visão empírica, e transformá-la em uma história digestível por todos, para que então todos possam compreender do que realmente se trata tudo isso.Quem sabe um dia...

2 comments:

Thiago said...
This comment has been removed by the author.
Thiago said...

Muito bom! Até pensei que lia alguma filosofia dos séculos passados. Gostei de ver garoto, fico feliz, afinal, aprendeu comigo! kkkkkkkkkkkkkkk
Ficaria até plemamente irado e com inveja, se a minha especialidade textual não fosse o drama.
Achei este último muito espiritual e exótico aos olhos de um poeta.
Muito bom! Parabéns!