Ateu


Salve traça!
Enfim os primeiros bits velhos deste ano de 2012. 
Dedico esta poesia a pessoa que lançou a questão inspiradora deste amontoado de letras; a confrade, Teresa Cristina Bendini. 



Ateu.

Orar deuses enlapidados?
Fumar sentimentos impressos?
Ó Poesia!
Não lhe cai bem o altar,
o sussurro débil,
o  respeito enfermo.
O grito, nunca virá?
Hosana nas alturas?

Calado acalento,
Da nobreza culta.
Ó Poesia!
Não lhe cai bem os láureos,
o cuspido pedigree,
a evolução teleológica.
A ânsia, agora veio?
Tola idiossincrasia?

Chega!
O amanhã vem longe
Hoje?
Cedo demais para morrer.
Poluído panteão,
aguarde!
Há nos bolsos sementes,
da adoração. 





Créditos: Painel presente em Transubstanciação(Download aqui) de  Lourenço Mutarelli.



4 comments:

Thayna said...

Olá!
Sempre leio seus post mas desta vez confeço q naum gostei, nãoq seja ruim.
Particularmente, não gosto mto destas poesias cheis de palavras dificeis., preguiça de dicionário ou o q?
bjks

Estante Velha said...

Salve Thayna!
Ninguém gosta de tudo né?
Então, eu também não gosto muito de poesias recheadas de palavras "dificeis", mas neste caso utlizei algumas na segunda estrofe, para enfatizar a critica as pessoas ,ditas cultas, que se utilizam de um linguajar restritivo como máscara necessária para o poeta...


Obrigado pela leitura!

Thayna said...

Mas assom vc não estaria fazendo a mesma coisa que aqueles q vc estaa criticando?

Estante Velha said...

"Quando se quer entrar
Num buraco de rato
De rato você tem que transar"