Poesia?

Alguns malucos resolveram contemplar esta poesia como a ganhadora do: "I concurso de poesia da Faculdade Anhanguera", bah...lógico que eu gostei de ter ganho, MAS, gosto mesmo só da ultima estrofe, de resto...:>

Palavreado

Perdi a mãe, o pai, o amor, a vida.
Perdi a noite, o sono, o sonho.
Perdi a mim, ganhei a bebida!
E ainda assim, há de nascer o Sol!

Perdi o passo, o caminho, a direção.
Perdi o sorriso, a alegria, o encanto.
Perdi a força para viver na contramão.
E ainda assim, há de nascer o Sol!

O raiar de um novo dia, um filho a nascer, um fruto a cair.
No entanto, sou mãe seca, árvore estéril.
Quisera um fruto, um filho, um raiar do Sol.
Nascerá o Sol?

Quisera não escrever incompreensíveis palavras.
Mas sim, palpáveis sentimentos.
Quisera moldar o sentir, não o pensar.
Quisera que o Sol não nascesse amanhã!

3 comments:

Thaísa said...

Olás!
A última estrofe é realmente um tabefe na cara "escrever sentimentos palpáveis". Lindo poema, Rafael.

Beijos

André Bianc said...

Muito boa Rafael Martins, justa vitória. Belo blog.Parabéns.
André Bianc

Thiago Cunha said...

"STUPENDO"! Como dizem os italianos, kkk
PARECE-ME MAIS A CARA DE UM DRAMÁTICO POETA CONTEMPORÂNEO, Thiago de Oliveira Cunha, já leu algo dele. kkk
Esta faceta tua parecia-me excluída dos teus diálogos universais.
"Très Bien!" COMO DIZEM OS FRANCESES, KKK