Aglomerados de estranhas entranhas.


Salve traça!
Entre besteiras e asneiras, não há muito o que se falar, resta-me aglomerar, talvez, palavras demais.




Aglomerados de estranhas entranhas.

Meridiano de Sangue.

“Em qualquer acontecimento a história de todos não é a história de cada um nem tampouco a soma dessas histórias e ninguém aqui no final pode entender o motivo de sua presença pois ninguém tem como saber nem mesmo no que o acontecimento consiste.”

Intoxicante amor.

Sábado, 26 de janeiro. Em sua casa Ingrid se decide pela calcinha vermelha com detalhes em renda preta. É isso, será hoje. O ano tem sido perfeito até agora, tudo está dando certo; desde passar no vestibular até o lance com Peter. Será hoje! Sim. Depois da festa vamos para a casa de Peter, seus pais estão viajando. Se você não fizer ele vai buscar com outra. Mas será que dói muito mesmo? Que linda que ficou esta calcinha em você, preparada para matar heim. 

De costas, Ingrid admira no espelho a visão daquilo que seu namorado tanto anseia. Foda-se, diz olhando para o pequeno frasco com lubrificante; de morango. Eu o amo, farei o que ele quiser. Mas não custa nada tomar umas doses a mais de vodka, não? Risadas. Ê amiga, responde Julia, você está com fogo hoje!

Cicatrizes.

“Entre mortos e feridos, entre gritos e gemidos,
(a mentira e a verdade, a solidão e a cidade)
Entre um copo e outro da mesma bebida
Entre tantos corpos com a mesma ferida.”

Prenhe de esperança.

Sylvia, de joelhos ao lado da cama, ora. Não consegue dormir. Precisa passar. Fazer faculdade, o sonho de sua mãe, de seu falecido pai, talvez o seu. Precisa!

Não consigo expressar teu poder ó meu pai, o quanto é misericordioso. Só me resta esperar o milagre e as benção de Deus na minha vida, porque o que o Senhor promete e cumpre. É só descansar e tomar posse da vitória, tenho fé no Senhor. Sei que segunda feira terei a vaga. Obrigada Jesus por me amar tanto assim, mesmo eu sendo tão pequena diante da sua grandeza...

Voyeur.

Na casa ao lado, Oliver, entediado zapeia pelos 150 canais da TV a cabo.
Nickelodeon, ESPN, Sexo, corrida, luta de boxe, um policial correndo, zap. Um olhar: um leão agachado contempla a manada; o alimento. Preparado, o mais apto, analisa os movimentos da grande massa de animais que lhe cabem. Busca o fraco, o menos capaz. A língua, quase humana, molha o lábio. O leão respira fundo e parte, feito um tiro. Seu corpo se movimenta sem dificuldades, movimentos certeiros, lapidados por milênios. Seu corpo se destaca frente ao vermelho crepuscular, uma sombra em movimento, a morte que vem feito um disparo. A manada dispara. A adrenalina os desperta do prazer do pasto. Salve-se quem puder? Eles não pensam, correm. O cérebro responde rápido ao instinto mais básico, sobrevivência. Oliver está atento. Interessante ver a morte na segurança de um sofá velho, não? A manada de gnus, algo como um boi magro, em desespero, tromba entre si, atrapalham-se, pisoteiam-se: sobreviver. O leão vence, não há surpresa nisso. É o fim para mais um gnu, mais um dia natural. Ninguém chora, ninguém se vangloria. 

A câmera filma tudo, com detalhes: o golpe do leão, sua mordida, o sangue que escorre.  A mente de Oliver divaga na madrugada, imagina-se filmando o leão, porém em suas mãos traz uma arma. Olhos cerrados, ele espera o leão se distrair em seu banquete. Tal qual o cinegrafista focando a caçada, Oliver está lá, caçando. Ele dispara. É o fim.


27 de janeiro, dia internacional das vítimas do Holocausto.

 “Vários soldados da época de Hittler e muitos dos mortos podem ter vindo reencarnar aqui no Brasil, no Rio Grande do Sul, para resgatarem seus débitos espirituais. PROVAVELMENTE (sem comprovação nenhuma, neste momento) os jovens que desencarnaram hoje no acidente podem ter feito parte do comando de Hittler, e os envolvidos no caso como “culpados” (alguns seguranças, dono da boate...) podem ter sido mortos dentro dos campos de extermínios nazistas. Ou seja, a Lei da Ação de Reação pode ter sido aplicada neste caso.”

 Dinâmica. 

“A terceira lei de Newton afirma que a interação entre dois corpos quaisquer A e B é representada por forças mútuas: uma força que o corpo A exerce sobre o corpo B e uma força que o corpo B exerce sobre o corpo A. Estas forças têm mesmo módulo, mesma direção, mas sentidos contrários. É usual dizer que as forças relacionadas pela terceira lei de Newton formam um par ação-reação.

Por outro lado, é importante que fique bem claro o seguinte. A interação entre dois corpos origina duas forças de mesma natureza.  As forças atuam em corpos diferentes e, por isso, elas não se cancelam mutuamente. As forças são simultâneas: uma não vem antes e nem depois da outra.” 

Espetáculo.


O circo chegou. Veio de madrugada, não acordou ninguém, mas pela manhã todos sentiam no ar sua presença. Não chegou em caravana, não montou lona, mas fará o show. Foi chegando aos poucos, van por van, animal por animal. Uma vez maquiados os palhaços, enfim, fez-se a luz: o maior espetáculo da terra, agora ao seu alcance. Assista também! 

As entranhas expostas do destino: útil inutilidade.

Luto: Faça você também a sua parte.  

“O momento é de solidariedade, ajuda e oração. Uma tragédia em Santa Maria, num incêndio no salão de festa, vitimou 245 pessoas e muitos se encontram hospitalizados. A maioria são jovens universitários. É a maior tragédia já acontecida no Rio Grande do Sul. A Igreja reza pelos familiares para que tenham força, fé e coragem em Jesus Cristo. Cremos na ressurreição, sinal de esperança para os que morreram e para familiares. Ore você também.”

Segunda feira, 28 de janeiro.

Esperançosa Sylvia economiza uns trocados no almoço para pagar um tempinho na lan. Preciso ter passado. Senta-se no computador, faz o nome do pai e uma breve prece. Aperta com força as pálpebras, fecha-se brevemente em sua escuridão. Você precisa passar, você vai passar, eu tenho fé. Entre promessas e esperanças ela entra no site, mal consegue respirar. As informações estão disponíveis, lê. Sem pensar, passa de clique em clique, página por página.

Chocada, relê. Finge não entender as letras: não obteve nota suficiente. Respira fundo, abaixa a cabeça, odeia por alguns segundos o teclado, o mouse, sua mão, a si e a toda sua burrice. Respira fundo e abandona o local em meio a tropeços e lágrimas represadas.

Naquela mesma noite, após muita oração, Sylvia colocou sua cabeça no lugar. Plantou fé e colheu esperança. Esta ainda é apenas a segunda chamada, ainda tenho chances. Pessoas ainda podem desistir!

Na terceira chamada Sylvia foi convocada para matrícula. Ocorreram muitas desistências imprevistas no ano de 2013 em Santa Maria, RS. Sylvia passou, com a ajuda de deus. Ela merece.








3 comments:

Alexandre Cimatti said...

Genial, Rafael! Um texto em recortes, mostrando um breve panorama de nosso tempo comum, com gente comum (um tédio latente no tom e no jeito)... e o desfecho? Chave de ouro! E a moça sequer agradeceu à Deus pelas desistências inesperadas... muito bem, meu amigo!

Assim fica difícil pra eu ter ideias novas que possam superar as suas...!

Até!!

Estante Velha said...

Salve Cimatti,

Pois é , será que ela agradeceu? Será que ela pensou a razão das desistências? O que será que ela pensou?

Eu saltei para o futuro e deixei o narrador, do alto do alpendre, só relatar o acontecido, deixando Sylvia sozinha com seus pensamentos para que ninguém a acuse de ser insensível ou egoísta. O narrador tomou este fardo para si próprio :)

Quanto as ideias novas, relaxa, recorta e cola o velho porque está difícil sentir o novo no ar.

Um abraço e obrigado pelo comentário.

Remy Zombie said...

Brilhante, Rafael e eu não sou de me rasgar em elogios. Parabéns.