Perspectivas
-Do alto

O caminho foi longo, uma subida demorada, gerações após geração fomos empurrados para o nosso destino. Nossa mãe nunca soube onde iríamos chegar, porém, ela sempre soube que estávamos nos desenvolvendo, hoje vemos que maravilha nos tornamos. Alçamos vôo.

Calmo, tranqüilo, vejo a noite e vejo o dia, pausadamente, vagarosamente...devagar como sempre foi, e como sempre deveria ser. O sol tocando minhas penas com seu carinho fraterno, as nuvens abraçando meu corpo, a leve brisa quente me empurrando para o infinito desse mundo, como uma orquestra em harmonia com meu ser, proporcionando a beleza de meu vôo. A magia do pairar na imensidão azul. Sim, estes são meus companheiros.

Aqui mesmo, nas alturas, sou capaz de fechar meus olhos e adormecer, e no colo acolhedor de minha mãe permanecer. Vivo minha vida livre, sem destino, somente com um propósito; passar adiante a mim mesmo, passar adiante o melhor de mim, é esta minha única tarefa em meio a essa beleza azul anil.

Aqui em cima a tristeza dos milhões de corações que povoam o mundo não é mais sentida, aqui o cheiro podre de vidas regadas a tropeços e desejos não chega mais, aqui fui abençoado com a distância.

Minhas longas asas... as mais belas já concebidas por suas mentes ainda estariam distantes da visão das minhas. Pois minhas asas, tem o exato tamanho e formato grandioso de minha felicidade.

Minhas pernas...atrofiadas, fracas, em desuso, pois há tempos não tocam o chão, pois há tempos se tornaram puras, livres do abraço da amargura da superfície podre.

Minha vida é plena, minha alegria onipresente e isto não chega a te causar inveja, ou chega...pois eu estou além. A quilômetros do que seus olhos podem ver e suas mentes entender. Estou acima de sua terra, a milhas distante de suas cidades, do cinza de suas vidas e do vermelho de suas mortes.

Minha mãe lhes deixou o canto belo e limpo de meus irmãos, embora vocês não sejam capaz de aprecia-lo sem impor a sua rédea, sua prisão. Porém, nem mesmo a falta da liberdade os impede de trazer minutos de prazer a seus ouvidos, segundos atenuantes em meio às horas de megalomania de suas vidas, impede?

Assim sou eu, assim é minha vida...assim deveria ser a de todos vocês, movimentada pelos apelos básicos da existência, nada de buscas sem sentido, ou desejos não desejados. Pois, dessa maneira nossa mãe nos fez para sermos felizes, e vocês também devem ser felizes.

Essa é a minha perspectiva....aqui do alto....




A criatura:

Os andorinhões são aves de pequeno porte, com comprimento situado entre 9 a 25 cm, consoante a espécie. A sua plumagem é geralmente preta ou castanha, sem dimorfismo sexual evidente, mas algumas espécies apresentam barriga mais clara e manchas coloridas na zona da garganta. As asas afiladas em forma de boomerang são extremamente longas, por comparação com o resto do corpo. As penas primárias, longas e estreitas, junto com as penas secundárias muito curtas, permitem aos andorinhões um voo rápido e a possibilidade de planar. O bico é muito curto e um pouco recurvado. As patas e dedos são extremamente curtos e quase invisíveis quando o andorinhão voa. Esta característica é a origem do nome do grupo e da ordem Apodiformes (do grego a, sem + poda, pés). As glândulas salivares dos andorinhões são relativamente grandes para animais desta dimensão e aumentam de tamanho na época de reprodução.

A fisiologia dos andorinhões é especialmente adaptada para o modo de vida aéreo do grupo, por vezes a grande altitude. O tipo de hemoglobina que possuem é diferente das restantes aves e permite o transporte de grandes quantidades de oxigénio a baixa pressão. Graças a estas adaptações excepcionais para o voo e ao formato das asas, os andorinhões passam grande parte do seu tempo no ar e algumas espécies (como o andorinhão-preto) são inclusivamente capazes de dormir enquanto planam.

Mais Informações : http://pt.wikipedia.org/wiki/Andorinh%C3%A3o

2 comments:

Thiago Cunha said...

É realmente a felicidade só pode existir "muy lejos" daqui. Longe desse mundo podre, como você mesmo define no texto. Muito embora, somente os pássaros possam voar com as asas, existe quem consiga voar dessa hipocrisia e viver sem se contaminar, talvez seja com a mente. Mas a grande maioria permanece enraizada nessa terra de poucas esperanças, e de felicidades murchas.

Anonymous said...

Belas palavras!